terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Deixa sangrar

Deixa, deixa sangrar
não tente estancar a ferida
que me causaste

e se tentar, de que adiantará?
a dor não cessará
tão brevemente quanto pensas
então deixa sangrar

O vermelho vivo que transborda
me faz lembrar
o que outrora existiu
o que outrora foi compartilhado
o que agora jaz
o que não existe mais...

Então, por isso
e por favor,
deixa sangrar!

Não insista!
não existe remendo para este
ferimento,
não se cura uma ferida desta forma

O ferimento que abriste não dói
não, não é isso que me dói
o que me dói é ter a certeza
de que não morrerei por causa
dele...

3 comentários:

Thiago Luiz disse...

Excelente metáfora, cara!

Você sabe escrever uma poesia como poucos. Lembro-me de um dos seus primeiros posts aqui. Com alguns versinhos despretensiosos que até hoje chamam a atenção.

E tomara que seus posts se tornem frequentes assim!

gê. disse...

gostei do texto, dé. nem todo mundo sabe como é dificil passar por isso qe vc falou e saber expressar-se dessa forma é pra poucos.

parabens.

"vai, sem duvidar, mas se ainda faz sentido vem."

Deia Roos disse...

o que agora jaz
o que não existe mais... Esta é a parte que mais doi!