segunda-feira, 6 de julho de 2009

Metalinguagem às avessas!

Aprendi, com o passar do tempo, dos anos, dos meses e dos dias a ser objetivo, simples, conciso. Não que isso seja uma dádiva, um dom, um presente de Deus. Não, definitivamente não o é! Eu simplesmente, meramente, ordinariamente consigo me expressar em poucas e diminutas palavras. Parece que eu acompanho o ritmo desse mundo, planeta globalizado, mundializado e não perco meu tempo precioso, valoroso, grandioso com textos longos, prolixos, daqueles de encher a linguiça, mesmo! Afinal tempo é sinônimo, tal qual e igual a dinheiro. Eu não posso ficar jogando, despejando, exalando meu dinheirinho fora, né?

Eu préso muinto tanbem pela boua iscrita. É orríveu ler teixtos mau iscritos! Poxa, meu, o Brasiu é um paíz qui çó fala um indioma e o cara aindja tem a displiçenssia i u atrivimento di falá herradu! Tenha a Santa pacinhensia, viu?

Outra coisa que eu não suporto é quem deixa as coisas pela metade...












Dedicado a todos os professores de português que passaram pela minha vida!

2 comentários:

Bobagens disse...

me achei super parecida com voce! =p

Thiago Luiz disse...

Ah, por isso somos tão amigos.